Avançar para o conteúdo principal

Saberás por acaso que a praia está vazia

Saberás por acaso que a praia está vazia
e as ondas já não quebram perto dela,

que nos imagino aqui à superfície,
corpos exilados à procura de água doce
e o sal a estilhaçar na pele, a traçar caminhos, a deixar rasto,

segue-me porque há ondas que rebentam na minha boca,
há guitarras e canções e correntes de ar que explodem como estrelas no meu corpo,

olha a praia azul e serena
onde a água se deita como uma pequena deusa cansada no final da tarde,

podíamos ser como ela e podíamos ficar, podemos ser cúmplices,
poderíamos amar, e quereríamos sofrer, saberíamos mudar,
mas saberás sequer que aqui estamos mesmo quando nos olhas,
que o mundo por instantes é belo e perfeito
que há silêncio e que a noite se atrasa quando nos vê,
que há um significado invísivel nos teus gestos,
cheiros que se revelam como fotografias,
memórias que nos habitam como um vírus,

não há palavras pousadas na minha língua,

há expectativas espalhadas por tanto mar,
por isso te vigio, ser
estranho
mutante
prometedor

[Jack Spencer]

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Fragmento.1/1

Nunca quisera voltar àquele lugar. Odiava regressos. Mas a vida puxara-o, em cada momento seu de distração, e há muito que deixara de estar atento e seguro.

Ali estava agora nesse presente sem sentido algum, naquela beira-mar acumuladora de memórias. Apenas ali as imagens persistiam. Apenas ali. Quase imaculadas. Depostas. Sagradas. Como uma armadilha.


Ruth Brownlee (pintura)

Ainda não é tarde

Os ramos tocam devagar nos vidros da janela e esse toque quase atonal marca um tempo peculiar nesta véspera de Natal.

Ainda não é tarde. Eduardo espera-a.
Nos últimos dias, reviveu com minúcia cada instante daquela pequena história. Reconheceram-se durante meses, cruzando os passos nos mais diversos lugares, e parecia agora claro, na lucidez própria da distância, que estes eventos poderão ter perdurado por muitos anos, sem o perceberem. Aconteceu uma vez, na carruagem do metro. Num dia de avarias e supressões, o mundo empurrou-os abruptamente um de encontro ao outro. Entreolharam-se, amachucados e suados, e logo que possível afastaram-se. Uns meses depois, no encosto de um setembro ameno, conversava na avenida com um colega de faculdade e Madalena passou por eles, arrastando consigo a última luz do dia. Ele olhou-a, sentindo-se sozinho naquele instante. Viu-a como se fosse um náufrago e aquela fosse a luz da sua salvação. Horas depois, ainda sentia na boca a estranheza daquele momento…

Fragmento.1/2

Dentro daquele momento peculiar quis não ser ele. Quis enterrar esse outro por entre a finura da areia. Adormecê-lo no grão das imagens que se revelavam na tibieza da tarde. Mas o fim deste dia estava contaminado, e arranhava a sua pele com uma dureza de cores singulares.

Mexe-se e respira profundamente até quase extinguir todo o ar que ainda lhe pertence. Precisa romper com a linha que se desenha à sua frente. Dirimir a ameaça. Dá então alguns passos pelo paredão. Sente o corpo das pedras encostado à borracha gasta dos ténis. As arestas gastas das pedras da calçada, daquele paredão, que brilham indulgentes aos seus passos e magoam delicadamente os seus pés. Caminha vagarosamente, esperando que esta demora o devolva à sua espessa solidão. Esse estado notável e excêntrico que desde cedo teceu, alimentou e conservou.


Ruth Brownlee (pintura)