Avançar para o conteúdo principal

Por ora, apenas os ramos batem nos vidros da janela

Por ora
apenas os ramos batem nos vidros da janela.

é tarde nesta véspera de natal,
a noite adensa-se,
o mundo recolhe-se como pode
e os sons ensurdecem na terra fria,
mas a promessa da tua vinda é certa,
a minha memória é verdadeira
e isso basta-me.

tudo me diz que é tarde nesta véspera de Natal,
e por ora apenas os ramos batem nos vidros da janela.

neste tempo liminar, esgota-se o rasto do dia que acabou,
a luz escorre pelas pedras velhas do caminho
e não te oiço ainda nesse rio por onde vens,
mas o meu coração contrai-se,
eu espero-te, tanto,
e isso basta-me!

é noite de natal,
os ramos cantam nos vidros da janela
és tu?... és tu!
só amor, só amar,

isso basta-me.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Fragmento.1/1

Nunca quisera voltar àquele lugar. Odiava regressos. Mas a vida puxara-o, em cada momento seu de distração, e há muito que deixara de estar atento e seguro.

Ali estava agora nesse presente sem sentido algum, naquela beira-mar acumuladora de memórias. Apenas ali as imagens persistiam. Apenas ali. Quase imaculadas. Depostas. Sagradas. Como uma armadilha.


Ruth Brownlee (pintura)

Ainda não é tarde

Os ramos tocam devagar nos vidros da janela e esse toque quase atonal marca um tempo peculiar nesta véspera de Natal.

Ainda não é tarde. Eduardo espera-a.
Nos últimos dias, reviveu com minúcia cada instante daquela pequena história. Reconheceram-se durante meses, cruzando os passos nos mais diversos lugares, e parecia agora claro, na lucidez própria da distância, que estes eventos poderão ter perdurado por muitos anos, sem o perceberem. Aconteceu uma vez, na carruagem do metro. Num dia de avarias e supressões, o mundo empurrou-os abruptamente um de encontro ao outro. Entreolharam-se, amachucados e suados, e logo que possível afastaram-se. Uns meses depois, no encosto de um setembro ameno, conversava na avenida com um colega de faculdade e Madalena passou por eles, arrastando consigo a última luz do dia. Ele olhou-a, sentindo-se sozinho naquele instante. Viu-a como se fosse um náufrago e aquela fosse a luz da sua salvação. Horas depois, ainda sentia na boca a estranheza daquele momento…

Fragmento.1/2

Dentro daquele momento peculiar quis não ser ele. Quis enterrar esse outro por entre a finura da areia. Adormecê-lo no grão das imagens que se revelavam na tibieza da tarde. Mas o fim deste dia estava contaminado, e arranhava a sua pele com uma dureza de cores singulares.

Mexe-se e respira profundamente até quase extinguir todo o ar que ainda lhe pertence. Precisa romper com a linha que se desenha à sua frente. Dirimir a ameaça. Dá então alguns passos pelo paredão. Sente o corpo das pedras encostado à borracha gasta dos ténis. As arestas gastas das pedras da calçada, daquele paredão, que brilham indulgentes aos seus passos e magoam delicadamente os seus pés. Caminha vagarosamente, esperando que esta demora o devolva à sua espessa solidão. Esse estado notável e excêntrico que desde cedo teceu, alimentou e conservou.


Ruth Brownlee (pintura)